Os traumas hereditários

Enquanto está sendo gestada, a criança está intimamente ligada à mãe podendo somatizar e confundir o sofrimento dela com seu próprio.

Sentir suas dores, inseguranças, agitações, ansiedades e cansaço, isso porque, essa assimilação dos sentimentos e das emoções da mãe são as primeiras trocas que o bebê tem com o mundo exterior.

Nessa fase a criança tem inconsciente a parte ativa do cérebro, o que a leva a registrar e perceber realidades que nós conscientemente não percebemos.

É por isso que os nossos problemas começam nessa época.

Os problemas hereditários

Tudo que a mãe passa, seja um trauma físicoquímicoemocional, recente ou congênito, a criança “recebe”, “assimila” como sendo dela e gera assim bloqueios em seu organismo, altera a vitalidade de seus tecidos e órgãos.

Dessa forma, os traumas que ficam inscritos no corpo da mãe normalmente ficarão também inscritos no corpo da criança.

A mãe passa por hereditariedade seus problemas, seus traumas, desencadeando, seja na infância, na adolescência ou até mesmo na fase adulta suas conseqüências, os sintomas, as doenças.

O papel do pai

Não é só a mãe que passa por hereditariedade seus problemas, seus traumas, etc, o pai também passa essa carga genética.

A criança enquanto está sendo gerada, recebe uma carga genética tanto da mãe como do pai.

Nesta carga genética está contida toda informação sobre o pai e suas descendências e sobre a mãe e suas descendências.

A criança então, apresenta estas duas informações genéticas, tanto do pai como da mãe.

Ela pode “puxar” mais para um do que para outro, nada relacionado ao físico e sim aos “traumas” que o pai e a mãe têm inscritos em seu organismo.

A vida fetal

Porém durante a vida fetal, a criança por estar intimamente ligada a mãe ela somatiza e confunde os traumas da mãe com seus próprios, adquirindo outros bloqueios.

Bebê na barriga tranquilo

Todos estes traumas que a criança adquiriu hereditariamente (durante a vida fetal ou pela sua carga genética) irão gerar bloqueios em seu organismo e desencadearão mais tarde os sintomas, as doenças em qualquer fase da vida.

A microfisioterapia e os traumas hereditários

Através da Microfisioterapia, estes traumas também são identificados e eliminados.

Tudo através da micropalpação na pele, restaurando desta forma a vitalidade dos tecidos, restabelecendo o equilíbrio do organismo, devolvendo a pessoa uma melhor qualidade de vida!

Gostou do conteúdo?
Compartilhe para que seus amigos e familiares possam se beneficiar também.